15 fevereiro 2013

Qual a diferença entre o Gessé Filho e o cara da Hilux? Cadeia no Anival !!!

Anival Pereira dirigia a Hilux (foto blog jhivago)

A pergunta que não quer calar, mas não em função de defender A ou B, mas para a justiça, claro!. Acidente é acidente, - doloso ou culposo - os casos, do Gessé Filho e do Anival Pereira são irmãos e merece ser visto como criminosos da mesma forma, no caso de Anival, muito pior, pois houve vítima fatal. (veja aqui)  - Mas então, porque os casos de Gessé Filho e do Anival estão sendo tratados de forma diferente? 

Vera, morta pelo Anival (foto acima)
Anival Pereira, 25 anos, farmacêutico, aceitou plenamente o risco de cometer acidente no momento em que avançou a preferencial, vindo a colidir com dois motoqueiros, matando uma das acompanhantes da motocicleta. A vitima, que estava com seu marido, veio para Imperatriz de férias e por aqui vai permanecer, seu corpo foi enterrado hoje  em um dos cemitérios da cidade.

E o Gessé está preso na CCPJ, passou pelo crivo da mídia e foi julgado pela sociedade, que ao mesmo tempo pressionou as instituições de justiça que atenderam o clamor em "contra-resposta" a "famosa impunidade". Gessé Filho continua preso, acusado por tentativa de homicidio e o Anival, por sua vez, se apresentou após o flagrante, acompanhado de um advogado, prestou depoimento e foi liberado.

Gessé sendo levado para a CCPJ. Tratamentos diferentes?
Tanto Gessé, como Anival, aceitaram os riscos. Não socorreram suas vitimas, Gessé bateu propositalmente e Anival, que não foi internado em nenhuma clinica psiquiatra – como o Gessé – avançou a preferencial e matou uma senhora. Aceitou o risco de matar, ao avançar a maldita preferencial.

São os dois lados da justiça, principalmente quando a imprensa deseja condenar, pelo ato de insanidade ou por ter necessidade de ver um rico preso, independente disso, o mesmo caso deve ser aplicado para o dono da Hilux.

Não para justificar socialmente a prisão de Gessé, mas para que acabe esta síndrome de impunidade e que os sistemas de justiças não sejam vistos como órgãos movidos por pressão, mas que tenha ação sistemática, que denuncie ou julgue... com os olhos vendados.

Cadeia também no Anival Pereira!!!
Postar um comentário