02 junho 2013

Dois pesos... Os professores do Estado do Maranhão não têm motivos para comemorar.

A redução da jornada de trabalho de 50% aos 50 anos de idade e 20 de exercício do magistério, o pagamento do quinquênio, que aumentava os salários, automaticamente, em 5% a cada cinco anos, e o aumento do interstício de 3 para quatro anos para a obtenção de promoção funcional, tudo conquistado as duras penas pela categoria, foi revogado na “nova” proposta de Estatuto do Magistério” do Governo, aprovada pelo Sinproesemma, com o apoio dos “vermelhos” do PT e PC do B, André Santos, Carlos Hermes e Wilas Moraes, da Regional de Imperatriz.
Eles também defenderam suspender a greve dos professores do Estado em troca de um pífio-ridículo reajuste de 4,75%, dois pontos percentuais abaixo da inflação do período.
Pasme, não!
A indignação é geral e a assembléia dos professores de Imperatriz, realizada na semana passada, virou um mar de revolta, principalmente com a postura de Santos, Hermes e Moraes, a chamada “Santa Trindade” do movimento dos professores municipais de Imperatriz.
Eles que ficaram contra a proposta do prefeito Madeira de reajuste de 6%, mais anuênio de 2%, mais indenização de hora aula, combinada com redução de jornada, foram os mesmos que quase eram linchados pelos professores do estado ao defenderem o fim de conquistas históricas da classe e um reajuste abaixo da inflação.

Com a palavra, os aguerridos "companheiros".
Postar um comentário