05 agosto 2013

Está mais que evidente que a luta dos radicais é pessoal contra a VBL

Uma queixa postada na rede social, sobre a mudança de atitude do vereador Carlos Hermes trás a tona um questionamento sobre o verdadeiro interesse do grupo ligado a oposição em tirar a empresa VBL de Imperatriz. Logo após a divulgação que a empresa teria adquirido mais de 60 veículos para servir ao transporte na cidade, recomeçou o trabalho para movimentar mais protestos, liderados pela iniciante de comunista e líder do ForaVBL, pelo vereador Carlos Hermes, do PC do b, e pela militante social e radical, Conceição Amorim.

A declaração do promotor Sandro Biscaro se acumula também a estratégia incansável desse grupo para colocar outra empresa a qualquer custo, chegando até, a retirar totalmente os veículos da linha em uma ação ainda questionável, apesar dos veículos estarem com a documentação em atraso, mas não só isso, pois mesmo assim, tiveram outros que mesmo em dia, foram presos, causando um caos a sociedade e estudantes, usuários do serviço de transporte urbano.

A ação articulada agora vem dos radicais, e foi exatamente pela entrada deste mesmo grupo que teria minado a participação popular no movimento, inclusive, motivo da reunião da oposição em São Luis que teria determinado que os comunistas se afastassem dos movimentos radiciais contra a prefeitura, o que de fato ocorreu.

Outra questão é o anseio que estimula o movimento que parece estar afinado contra o nome VBL e passa a travar uma guerra pessoal com a empresa, apesar de negada pelo vereador comunista que diz em seu blog "Não queremos a saída da VBL a qualquer custo, queremos uma solução”, e mesmo após a empresa ter anunciado que a frota será trocada 100% até a semana que vem, o legislador volta e incentiva outra manifestação, com ações premeditadas e tempestivas. É preciso respeitar os investimentos que a empresa está realizando na ordem de mais de 7 milhões de reais, que simplesmente são desprezados por meia dúzia de esquerdopátas, que fingem desconhecer o Estado de direito e balbuciam desprezos quanto a decisão da justiça, mas pra explicar isso teríamos que entrar em questões filosóficas e Maxistas, que é o que move esses ilusionistas, mas pra quem despreza esse tipo de desrespeito as instituições sabe, exatamente do que estou abordando. 

A questão foi judicializada, tanto pela prefeitura quanto pelo MP e a empresa, dentro do seu direito buscou a defesa perante o TJ, mas como já dizia Norberto Bobbio,  "Ninguém pode esperar levar a melhor  num conflito sem recorrer à arte do fingimento, do engano, do mascaramento das próprias intenções."   

Veja abaixo o comentário feito por um ex-militante da esquerda e tire suas conclusões:



Só pra lembrar, se a VBL, antiga TCI ainda estão aí, o vereador Carlos Hermes, tem uma parcela de culpa, quando passamos a UMES para o mesmo, estavamos num Procedimento aberto pelo Promotor Márcio Tadeu, provocado pela Diretoria da UMES, que aprovou a Lei da Meia Entrada, uma das reivindicações era a quebra do monopólio da TCI, mais a nova Diretoria da UMES liderada pelos pessoal do PT e PSB, onde o Vereador Carlos Hermes, deram para trás, acabaram com o repasse para os Grêmios Estudantis que era um incentivo para a criação de mais Grêmios, e transformaram a UMES no que ela é hj, somente uma fabrica de carteirinhas de estudantes...
Postar um comentário