06 agosto 2013

Mais uma vez a população assumiu o prejuízo de movimentos unilaterais...

Não adianta criar factoides e mobilizações tendenciosas, pois ficarão a mercê da própria falta de credibilidade. Alguém ainda duvida disso? Em pelo menos duas oportunidades, - a greve da educação e o fora VBL - , somente este ano, trouxeram caos e transtorno a sociedade. 

A muito tempo que as causas em Imperatriz precisam estar desligadas de questões pessoais, de interessados na derrota do prefeito - seja ele quem for -  e, principalmente, longe da militância radical que condena o capitalismo, os políticos,  e que ainda sonham em implantar um  socialismo que nunca deu certo em lugar algum. Quer dizer, nesse mundo no qual vivemos não existe forma mágica de administrar ou tomar decisões.

Discursos como; Fora capitalismo, estatização já, estão fadados ao fracasso e limitados aos discursos, e ainda tem mais, não mobiliza mais que a linha de frente.

As lutas motivadas pela revolução que antecedeu a copa das confederações estão bem encaminhadas e cheias de resultados em todo o Brasil, por ultimo, até, como forma de continuar manipulando, a nossa querida presidentA aprovou o Estatuto da Juventude.

Em Imperatriz, dados recente mostram que um dos principais problemas é o transporte publico, que serviu de bandeira para os esquerdistas radicais tentar culpar o prefeito, mas ao assumir o movimento eles somente ajudaram a desestimular os jovens e enterrar a bandeira, que a nível nacional anda de vento em polpa.  

Agora, uma viagem feita pelo grupo que não conseguiu se quer mobilizar insatisfeitos em frente ao fórum seguiu para São Luis, com o objetivo de sensibilizar o judiciário e a Assembleia legislativa, se não fosse por alguns fatores que colocam em duvidas o real objetivo da luta: Primeiro, as lideranças deveriam justificar quem pagou o curto da viagem; fretamento do ônibus que custa em torno de 8 mil reais e a alimentação, segundo; sobre a falta de estratégia dita pelo presidente do PSTU, Wilson Leite, um dos que lideram a viagem:    “...visita ao TJ-MA para pressionar o poder judiciário do Maranhão que decida pela quebra do contrato com a VBL - mantendo a decisão da justiça local - para que assim se comesse o debate pela melhoria com abertura de licitação, redução da tarifa e melhoria no serviço”.

Pressionar o Tribunal de Justiça e redução de tarifa?  

Enquanto esses movimentos não estiverem alinhados com a realidade, o próprio argumento lhe faz perder qualquer objetivo, até o próprio apoio da população.  

Muito diferente do que dizem, não tento desqualificar os movimentos, mas os respeito e acredito que essas pessoas são de extrema importância para as questões sociais, mas fogem da realidade quando tentam trazer soluções surrealista e unilateral.

Fora VBL trouxe o caos as pessoas de bem, e ainda assumiram os transtornos de um movimento de pressão e inegociável.  Não era isso que os radicais queriam?  

Ser contra mais uma vez pareceu mais uma bandeira sem ideal. Só isso.
Postar um comentário