11 setembro 2013

ENTREVISTA ELIZIANE GAMA: ‘Nossa candidatura é independente. Nunca tive vínculo com o grupo Sarney’

Um dos nomes cotados para disputar o governo do estado em 2014, a deputada Eliziane Gama (PPS) negou – com firmeza – os boatos de que uma eventual candidatura sua estaria a interesse do governo para atrapalhar o projeto da oposição. Em entrevista exclusiva concedida ao blog, pela primeira vez a deputada falou abertamente sobre o assunto.
Eliziane Gama“Nossa candidatura é independente! Minha história de vida é arraigada no povo! Quem me deu os dois mandatos que tenho hoje foi o povo! Nunca tive nenhum vínculo com o grupo Sarney! Pouquíssimos podem verdadeiramente falar isso!”, contestou a socialista, reafirmando sua postura de oposição ao grupo político liderado pelo senador José Sarney.
Para Eliziane Gama, só pela via da educação o estado poderá melhorar. “A gente precisa levar a universidade para o interior do estado, esse e o primeiro passo pra começar ter um estado rico!”. Ela avalia que o atual grupo que comanda o estado há quase cinco décadas já teve oportunidade e não conseguiu fazer o Maranhão avançar.
“Vejo que esse grupo tem essa dívida e mostraram que não tem como pagar!”, sentenciou Eliziane, numa conversa bem à vontade. Segundo ela, é hora do PPS ser protagonista do processo. “Vamos apresentar um projeto real baseado na vida das pessoas!”, vaticinou Gama.
Confira, abaixo, a entrevista completa com a deputada:
Blog – O que motivou a senhora avaliar a possibilidade de colocar seu nome para disputar o governo do Estado?
Eliziane Gama – Vejo que o MARANHÃO passa por um momento diferenciado de reinício de um novo momento, onde o povo quer uma alternativa nova que seja centrada em ideais de transformação de mudança pra vida das pessoas! E é isso que eu penso! Tenho defendido um partido mais forte, mais participativo, um partido que tenha pilares fundamentais pra verdadeiramente mudar nossa realidade, mostrando como fazer isso! Nós estamos construindo isso nas bases, com os movimentos sociais, com técnicos e claro, mas sobretudo com o povo, que sabe mais do que ninguém o que realmente quer pra si! Hoje temos um partido grande, que participou ativamente do processo eleitoral nas últimas eleições com a indicação de Vice, chegou o momento de sermos protagonistas desse processo!
O que a senhora propõe para o Maranhão? O que pensa para mudar a triste realidade de miséria e pobreza vivida em nosso estado. Tipo o que deve ser feito para reverter os péssimos indicadores do MA e promover geração de emprego, saúde, educação de qualidade, segurança?
Não faremos nada se não for pela via da educação! O capital humano precisa existir para o desenvolvimento acontecer. E pensar que até recentemente nem segundo grau tínhamos em todas as cidades é ver o quanto estamos atrasados! Eu sou um retrato do que passa muitos jovens maranhenses, tive que vir para São Luís estudar por falta de escola em minha cidade! A gente precisa levar a universidade para o interior do estado, esse é o primeiro passo pra começar ter um estado rico!
Qual sua avaliação do grupo que comando o nosso estado há quase cinco décadas, principal responsável por colocar o Maranhão nessa situação vergonhosa?
É preocupante! Já tiveram a oportunidade de fazer mas não fizeram! Quando a gente assume uma função pública, assume o papel de decidir o futuro de um povo. Isso é muito sério! Quando a gente não faz isso, estamos frustrando as pessoas, os sonhos de um povo, estamos deixando uma dívida com uma geração! Vejo que esse grupo tem essa dívida e mostraram que não tem como pagar!
Foi noticiado por alguns blogs que sua candidatura tem o objetivo somente de dividir e atrapalhar a oposição, sobretudo o nome do candidato Flávio Dino, líder das pesquisas e com o nome já consolidado no eleitorado. Comenta-se, inclusive, que a senhora já teria feito um acordo com o grupo Sarney, com a promessa de receber, em 2016, o apoio dos mesmos para disputar a Prefeitura de São Luís, caso Luis Fernando seja eleito. Abrimos espaço para a senhora reafirmar que nada disso existe.
John, é impressionante a capacidade que algumas pessoas tem de levantar fantasias e tentar fazer isso verdade pra outras! Quem fala isso é porque vê o mundo a partir de si próprio, tendo uma visão míope da vida, e que sempre teve que depender de alguém pra consegui algo! Nossa candidatura é independente! Minha história de vida é arraigada no povo! Quem me deu os dois mandatos que tenho hoje foi o povo! Nunca tive nenhum vínculo com o grupo Sarney! Pouquíssimos podem verdadeiramente falar isso!
Já sofreu alguma tentativa de cooptação por parte do grupo da governadora Roseana Sarney?
Não! Tudo que sei é o que esta nos blogs! Tenho uma relação muito boa com os colegas deputados ligados ao governo, mas nada de conversar sobre acordo político! Minha posição assim como a de Marina Silva é fazer um mandato para o povo e não para um grupo político, seja ele qual for!
Caso não vá para o segundo turno (a senhora já disse que será governadora em 2015), marchará com o candidato da oposição?
O PPS lança uma candidatura ao governo para ir para o segundo turno! Essa possibilidade de apoiar alguém não existe hoje!
A senhora avalia um equívoco quando são lançadas insinuações maldosas sobre sua conduta política? Isso pode por acabar prejudicando a própria oposição?
Esse é o problema de quem ver a luta pelo poder pelo simples fato de ocupação de espaço! Não há limites, os mecanismo às vezes não se diferenciam em nada! Mas tenho tentado ser serena nesse caso, assim como sou na minha vida!
Como uma das lideranças de maior destaque no Maranhão, tendo seu trabalho reconhecido principalmente em São Luís, a que atribui ascensão tão rápida na política maranhense?
John, eu acredito numa missão na minha vida! E tudo isso faz parte dessa missão! Infelizmente temos poucas lideranças, apesar de termos muitas pessoas de muito bom caráter no estado! Agora a política é cercada de uma força controladora gigantesca, onde os bons que se sobressaem são poucos!
Em sua concepção, qual a mudança que o Maranhão precisa? Falar nisso, qual sua compreensão dos termos “mudança”, “novo”, “oligarquia”, “anti-Sarney”, “alternância de poder”….
Se convenciona jargões como mera forma de se chegar ao poder, eu prefiro pensar tudo pela educação! Vamos apresentar um projeto real baseado na vida das pessoas!
Entrevista concedida ao blogueiro John Cutrin, do Jornal Pequeno.

Postar um comentário