05 novembro 2015

Prefeitura deve cancelar contrato com a VBL hoje a tarde

O prefeito Madeira anuncia o desfecho do imbróglio nesta quinta-feira, às 4 horas da tarde em entrevista à Imprensa no auditório da Secretaria Municipal de Regularização Fundiária, localizada na Godofredo Viana, ao lado da Prefeitura.

CASO VBL

Depois de aproximadamente 40 dias sem transporte público coletivo na cidade de Imperatriz, a prefeitura deve anunciar o cancelamento do contrato de concessão com a permissionária, a empresa VBL. Os atributos, porém, deve discorrer à partir do não cumprimento do contrato que sugere sob pena de cancelamento, o não atendimento aos usuários. A empresa VBL, por sua vez, alega dificuldades no cumprimento das exigências naturais em função da competição injusta proporcionada pelo mercado clandestino, que explora o transporte e não é fiscalizado.

DESFECHO

O desfecho dará a condição de outras empresas explorarem os serviços. O diretor da empresa VBL alegou, recentemente, em entrevista, que a dificuldade que a empresa tem atualmente será a mesma que qualquer empresa que venha a explorar o serviço terá, ocasionado, principalmente, pela omissão do órgão fiscalizador em realizar o procedimento legal e coibir o trabalho clandestino.

OPINIÃO

A população vem sofrendo a bastante tempo com a ausência de responsabilidade e falta de regulação do transporte na cidade. A falta de clareza das ações da Secretaria de Transito e ausência de fiscalização, simplesmente compromete a liquidez econômica das empresas e dos profissionais do transporte de passageiros, atingindo também os táxis e moto-táxis. Atividades profissionais, devidamente regulamentadas, contribuintes do fisco municipal e que sofrem por ausência de regulação e fiscalização. 

O problema, porém, não inicia em uma breve analise e nem finaliza com o cancelamento do contrato. O governo municipal deve, a partir dessa nova realidade, enfrentar e tratar com profissionalismo e a prioridade que merece o transporte de passageiros. A mobilidade urbana, os novos conceitos e metas tem sido prioridade em todas as grandes cidades do mundo. 

No Brasil existem estudos técnicos que abordam todas as problemáticas que atingem o transporte publico, desde a qualidade, acessibilidade até a prestação do serviço, apesar disso, ainda esbarramos em problemas mais diversos, ocasionado muitas vezes por simples fatores, como o alto estresse do motorista; fator muitas vezes desprezados e não acompanhado pelo órgão regulador. Em decorrência disso, cidades grandes adotam como auxiliar o Conselho Municipal de Transporte - autarquia composta por todos os segmentos que exploram, regulam ou utilizam os serviços, com a responsabilidade de debater, fiscalizar e tentar corrigir os erros atinentes ao sistema, e que deveria ter sido criado em Imperatriz. Além disso, o desmembramento do órgão de transito com o sistema de transporte urbano, quer dizer, a criação da Superintendência ou Departamento de Transporte Urbano - órgão que se preocuparia especificamente com esse fim, trazendo responsabilidade e prioridade suficiente que o tema permite. 

Existem muitas formas de começar a organizar os serviços de transportes públicos do município de Imperatriz, mas é indiscutível que o fundamental é começar a tratar o serviço na escala de prioridades, assim como estão a educação, saúde, infraestrutura, segurança e então, o transporte publico. 
Postar um comentário