13 janeiro 2016

Ambição para ocupar a prefeitura de Imperatriz abre inicio de racha entre PDT e PC do B

O plano municipal aquece os nervos das alianças que elegeu Flávio Dino governador
Considerados hoje os dois partidos mais poderosos do governo Flávio Dino, o PC do B por conta da estrutura natural de ter o governador, já no PDT, para renunciar o desejo de indicar o vice governador, ocupou algumas das secretarias mais importantes do governo, como educação e agricultura, por exemplo, agora travam uma disputa pré-eleitoral no plano municipal que deve iniciar o processo de desgaste dessa aliança no plano Estadual. 

Apesar de ocuparem o mesmo espaço dentro de um projeto de governo da oposição ao sarneyismo, em que o PDT protagonizou através do saudoso governador Jackson Lago, os dois partidos agora travam a maior de suas batalhas, o protagonismo eleitoral em cidades importantes do Estado, e no caso do PDT o projeto é ainda mais ousado, protagonizar eleições viáveis nas duas cidades mais importantes, Imperatriz com a candidatura da suplente de Deputada Rosângela Curado, e na capital São Luiz, com o atual prefeito que busca a reeleição.

Até então um projeto normal para quem é aliado do governo, se não fosse pela coordenação do Deputado do PDT Weverton Rocha, um dos mais estrategistas e ambiciosos políticos da 'nova safra'.

Do outro lado a condição eleitoral protagonizada pelo protecionismo e favorecimentos para o aparente candidato do governo, o Deputado Marco Aurelio (PC do B), o único que pode barrar a estratégia do PDT de construir uma hegemonia nunca tão ambiciosa como a de Weverton, apesar do eterno coadjuvante das eleições Estaduais, o PSDB, já ter ocupado condições superiores, mas o partido de caciques, nunca soube e nem teve perfil para avançar, mas sobre isso vamos tratar em outra oportunidade.  A ousadia de Weverton surpreende até os caciques, porém, parece que nos últimos dias o clima tem aquecido desde “o recado de Weverton” para o governo, quando deixou claro que quer o apoio do governo para sua candidata em Imperatriz.

Os dois partidos do governo podem protagonizar uma cena histórica e travar um enfrentamento provavelmente nunca visto (ja que são aliados), porém, a maioria não ver condições para que isso ocorra, visto que para enfrentar um candidato do governo é necessário mais que viabilidade eleitoral. A condição esperada pelo PDT é o apoio do governo, mas e se isso não ocorrer? Apesar das mensagens indiretas e diretas, há quem ache improvável também que Weverton entregue as secretarias do governo.

O que é previsivel é mais um cenário de muitas incertezas e uma certeza, apenas um candidato a prefeito terá o apoio do governo.


Postar um comentário