10 janeiro 2016

MOVIMENTOS LIGADOS A POLÍTICOS DA ESQUERDA SE EXIMEM DA CULPA PELA FALTA DE ÔNIBUS EM IMPERATRIZ

Eles fizeram a baderna, incitaram a cancelar o contrato com a empresa de ônibus que operavam na cidade e agora culpam, mas não assumem a responsabilidade pelo caos.

Desde o inicio desse processo de desgaste moral financiado por alguns políticos da nossa cidade contra a empresa então detentora dos direitos de operação do transporte publico de Imperatriz, a afamada VBL, venho alertando nas redes sociais que, “não resolveriam o problema do sistema apenas tirando uma empresa para colocar outra” (se é que existe outra) e que os riscos de "simplesmente tirar uma empresa por alguém que não precisa e não conhece o transporte publico poderiam ser pagos por quem mais precisa do transporte. E foi exatamente isso que ocorreu.

O movimento batizado de ‪#‎foravbl‬, patrocinado por alguns vereadores simplesmente desapareceu e agora não arcam com a responsabilidade de ter pressionado a opinião publica e os estudantes contra a gestão municipal, e o mais grave, tudo isso ocorreu somente pelo interesse politico de desgastar o atual prefeito.
Esses movimentos não se preocuparam em traçar planos, metas e soluções concretas para o impasse, preocupando-se, somente, com o aproveitamento politico da bandeira, o que acarretou à população a prejuízos incalculáveis.

O próximo passo e o mais arriscado, e que também tem nos resultado num desastre, foi acertado nos bastidores em São Luis pelo Deputado Marco Aurélio, quando assumiu que traria uma nova empresa para Imperatriz, garantindo à gestão municipal que existiam empresários interessadíssimos em assumir o sistema, o que acabou dando sustentação à iniciativa da prefeitura de cancelar, em definitivo, o contrato com a empresa VBL. Hoje, passados quase 100 dias da decisão, o governo do Estado que também comunicou através da gerencia de Mobilidade, estar vindo à Imperatriz e acabou gerando uma expectativa de que o problema seria resolvido, não resolveu. O Deputado mudou o foco e não toca mais no assunto que afeta diretamente a maior parte dos estudantes e empregados do comércio da cidade, tomando a iniciativa de 'se auto excluir do debate sobre o Transporte Público', e agora, por fim, o vereador Carlos Hermes instigou um texto na sua rede social e blog, onde afirma estar cobrando do poder público “ônibus” para os estudantes.

E eu pergunto: Onde foi parar o movimento que pedia a troca da empresa o famoso #foravbl?
"Quando apontamos o dedo a gestão municipal ou fazemos politicas com a desgraça dos outros é fácil (politica do caos), entramos numa ascensão midiática onde os jornais locais inflam a permanência dessas personagens nos horários nobres, mas o resultado dessa imprudência politica resultou num grande prejuízo para quem necessita de transporte público em Imperatriz".
Não se resolve problemas gerenciais, econômicos e por fim, políticos, com soluções mirabolantes e utópicas. Basta lembrar aos senhores que 40 ônibus custam algo em torno de 1 milhão e duzentos mil reais, e qualquer empresa para se instalar custeariam proximo de 1 milhão e meio contando uniformes, garagem, equipamentos de manutenção da frota, tesouraria, escritório... portanto, a não ser os grande empresários petistas desses que saquearam a PETROBRÁS, dificilmente se encontrará um empresário que abandone sua origem e venha para Imperatriz investir num mercado prostituído, sem regulamentação e desorganizado como o do nosso Estado.

Enquanto amadores estiverem gerindo o transporte publico de Imperatriz a população vai continuar pagando caro por um transporte sem garantias e auto-regulado como opera atualmente como unica opção.

Com a palavra a esquerda propulsora do caos: financiadores e líderes do #foravbl

Holden Arruda - jornalista DRT-0001481/MA

OBS: Na tarde de ontem estivemos com o proprietário da empresa Monte Hebron, que antes operava nas linhas da VBL e obtivemos a informação que esses ônibus que circulavam em Imperatriz estão sendo enviados para outra empresa do mesmo grupo na cidade de Macapá.
Postar um comentário