17 novembro 2016

Deputada Valéria recebe representante do Sahara Ocidental para diálogo sobre a paz


A deputada estadual Valéria Macedo (PDT) recebeu, em seu gabinete, na Assembleia Legislativa do Maranhão, na manhã desta quinta-feira (17), o representante da Frente Polisario e da República Árabe Saharaui Democrática, Mohamed Zrug e o presidente do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz do Distrito Federal, Marcos Tenório. Eles conversaram sobre um mundo mais justo, de amizade e cooperação entre os povos. 
Mohamed Zrug e Marcos Tenório estão em São Luís participando da Assembleia do Conselho Mundial da Paz (CMP) que é realizada pela primeira vez no Brasil e escolheu o Maranhão, que ofereceu sua combativa hospitalidade, como o ponto de encontro dos movimentos engajados contra a guerra e a opressão. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) está sendo o anfitrião.
Durante a visita, ao gabinete, Mohamed falou que o Brasil é uma peça fundamental no cenário internacional e representa a voz dos povos do Sul, suplica por um mundo livre do colonialismo.
Valéria Macedo se prontificou em fazer uma Moção que será encaminhada a Câmara Federal pedindo apoio aos deputados para fortalecer a luta do povo saharaui e também organizar uma Audiência Pública para apresentar o tema para todos os deputados e sociedade. 
RASD
Mohamed explicou que a República Árabe Saharaui Democrática - RASD (antigo Sahara Espanhol e também conhecido como Sahara Ocidental) foi fundada em 27 de fevereiro de 1976 na cidade de Bir Lehlu, na região de Saguia El Hamra, após o último representante da administração colonial anunciar oficialmente o final da presença da Espanha no território.
Desde então, o governo da RASD dirige a luta do povo saharaui pela sua autodeterminação. “A maior parte do território da RASD permanece ocupado pelo Reino do Marrocos. Apenas uma pequena parte, chamado territórios libertados, estão em poder do governo saharaui”, disse Mohamed Zrug.  
Parte da população saharaui vive em terras cedidas pela Argélia na região de Tindouf, na condição de refugiados, em acampamentos desprovidos de qualquer condição de dignidade, onde mais de 165 mil sarauis vivem em condições muito precárias, em condições climáticas extremas e uma economia que depende da ajuda humanitária internacional, à espera do retorno à sua terra natal. O governo da RASD conseguiu ao longo dos anos para oferecer a sua população no exílio para um padrão de vida decente, garantindo educação e atendimento gratuito e universal à saúde.
FORÚM
De acordo com Marcos Tenório, a Assembleia Mundial da Paz acontece a cada quatro anos como um grande fórum internacional entre movimentos de paz de mais de 90 países.  
"No evento, as organizações nacionais que integram o CMP discutem o cenário internacional, as situações nacionais e as das regiões da África, América, Ásia, Europa e Oriente Médio, com informes detalhados e debates sobre o rumo a seguir. O evento segue até domingo (19), no Hotel Luzeiros e o encerramento será no Teatro Arthur Azevedo com a participação do governador Flávio Dino (PCdoB)”, finalizou Tenório. 
assessoria
Postar um comentário