Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Hoje pela manhã, como sempre faço, estava tomando meu café assistindo ao noticiário. Eis que o telejornal local mostra uma matéria de uma agressão sofrida por sua equipe de reportagem na beira-rio. Na matéria, aparece a imagem de um homem segurando uma mulher, tentando contê-la. O repórter diz que era uma briga e, supostamente achando que era um grande furo, foi se meter na história. Não se consegue ouvir, mas a mulher – visivelmente alterada – deixa claro que não quer ser entrevistada. Ora, é um direito seu e pelo que se mostra ela não aparenta estar cometendo nenhum crime, nem colocando a sociedade em risco. Mas o repórter insiste e a mulher toma o microfone e agride o repórter.
Bom, nada justifica a agressão da mulher contra o repórter. Ainda que pudesse estar drogada, como insinua a matéria. O correto seria então o agredido chamar a PM e registrar a ocorrência na delegacia. Mas a questão não é exatamente essa.
O grande erro de nós jornalistas é nos acharmos com mais direitos que os outros. Um microfone, um gravador ou uma câmera não nos dá alvará para fazermos o que quisermos. Houve uma briga, o repórter quis cobrir, mas a mulher não queria ser entrevistada ou filmada. É exatamente o que acontece todos os dias nos programas policiais: a exposição de quem não foi julgado e, portanto, não pode ser considerado criminoso. A matéria poderia até ser feita sem precisar desses recursos. Mas a questão também ainda não é exatamente essa.
Logo ao chegar ao trabalho e checar os emails e redes sociais, já havia uma nota de repúdio da Associação de Imprensa da Região Tocantina (Airt). Li, mas quase não acreditei no que meus olhos viam. Logo na terceira linha está escrito sobre os moradores de rua: “eles contaminam a cidade”.  Uma entidade de classe, de jornalistas, acha que os moradores de rua “contaminam” uma cidade. Vamos em frente e vejamos outro trecho: “Em meio à tanta desordem e desrespeito junto a sociedade, é que A Associação de Imprensa da Região Tocantina – AIRT, se posiciona repudiando o ato e pede atitude das autoridades que garantam a liberdade de Imprensa” (sic). Que “tanta desordem” é essa? Uma briga de moradores de rua? E em que momento a liberdade de imprensa foi ameaçada? No meu entendimento, não passa de preconceito. Os moradores de rua, por diversos motivos, estão em situação de fragilidade social. Não contaminam ninguém. A nota acerta em alertar o Estado – aqui no caso a prefeitura – e cobrar auxílio a essas pessoas.
Mas meu espanto não pára por aí. Um colega jornalista comentou a nota numa rede social, apoiando o repúdio. Até aí tudo bem, tudo normal. Seria. Veja o que disse o coleguinha: “ Nos lugares onde se assentam essas pessoas, nem capim nasce mais…”. Mais uma clara demonstração de preconceito, de despreparo para lidar com os problemas sociais. O comentário engrossa o coro dos que vêem nossos pobres e desamparados como doenças.
Nós, jornalistas, temos que aprender que o tal quarto poder é um mito, uma inverdade, uma ilusão arrogante. O mundo, as pessoas, não estão aos nossos pés, nem sob nosso julgamento.  Nós devemos nos colocar em nossos lugares. Nosso trabalho é levar a informação à sociedade e não interferir nela.
Marco Franco

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:52





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D