Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Não é novidade os trágicos acontecimentos ocorridos dentro do Hospital Regional de Imperatriz, mantido pelo Estado e cabide de empregos para apadrinhados políticos, que talvez seja exatamente por isso que nunca irá funcionar a contento, mas que trataremos em outro post. Vejamos abaixo:

Desesperado! Esta é a situação hoje da família e do esposo,agora viúvo, da jovem Ana Paula moradora da cidade de Edson Lobão, que agorafaz parte da lista de vitimas fatais do descaso com que o Hospital Regionaltrata seus pacientes, como se ainda estivéssemos no tempo das cavernas.

Ana Paula é mais uma vitima de maus profissionais
Após dar entrada no ultimo sábado (26), em trabalho de parto,Ana Paula apresentava pressão normal e o filho ainda mexia, relatou o pai queainda sentiu o toque do bebê em suas mãos, mas que agora tenta de alguma forma amenizara dor da sua perda através da justiça e denuncias feitas através dos meios de comunicação.

A jovem Ana Paula, isso mesmo, "a paciente", foi até arecepção do hospital e pediu a outro acompanhante que chamasse seu marido nocarro onde dormia, isso por volta de 3 e meia da manhã de segunda (28), pois sua barriga estavaendurecendo e seu bebê não mexia mais, o pior, não conseguia falar com umenfermeiro e nem um médico por que todos estavam dormindo.

Segundo Diego Alencar, esposo da vitima, Ana Paula ainda pediu para que a médicafizesse o parto,pois ela sentia muitas dores, mas foi avisada que somente nasegunda-feira (28) que o procedimento seria realizado. Insistindo e prevendo que o pior poderia acontecer,  Ana Paula pediu novamente em prantos e disse: "Doutora, não espere que eu morra para saber como as coisas podem terminar.”

Filhos ja sentem a ausência da mãe
Durante a noite em que aguardava na recepção da “mortanidade Regional”, Diego ainda ouviu deboches dos funcionários e seguranças que diziam quenão poderiam dormir por temer que alguém invadisse o Hospital. 

Mas a parte mais agonizante ainda estava por vir, quandoentrou para acordar os médicos soube por volta de 6 da manhã que seu filho jáestava morto, quando o médico encaminhou para a sala de cirurgia já era próximode 8 da manhã,  mas somente às 10 horas ocorreu a cirurgia para retirar o bebê.
As próximas horas, até as 18 horas  foram para conseguir sangue e uma UTI, que ohospital não possui.

Todo esse relato é apenas um pouco de longos momentospassados pela família e o esposo da jovem que perdeu sua vida, justamente porincompetência e falta de atenção do Hospital Regional de Imperatriz. O mesmoque deveria ser referencia, por atender todas as pacientes da região e nomomento que saiu da normalidade, não consegue atender com eficiência quem necessitade tal atendimento.

Filhos expressam carinho pela mãe no facebook
Ninguém poderá retornar a vida desta jovem. Não haverá quemsubstitua o amor que os dois outros filhos sentem por ela. A saudade e a ausência damãe. Um de 3 anos e outra de 7 anos. São mais dois órfãos desse Hospital, que poderá daqui mais uns dias entrar com uma  série de medidas para limpar a sua imagem,mas continuará com uma dezena de apadrinhados políticos no atendimento, outrasnas enfermarias e dando continuidade na sua carnificina infantil e materna, onde pouco sesabe das mortes que ocorrem por ali, mas quando são expostas a sociedadecomeçamos a entender o quanto estamos expostos a maus profissionais e a umsistema que não funciona.

Meus pêsames ao Pai, aos filhos e a toda a família,infelizmente aqui cumprimos nosso papel de informar e de esperar que talvez ajustiça assuma mais este caso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:30


8 comentários

De Ediene neves dos santos a 31.01.2013 às 16:52

tive meu filho no regional tbm ao total passei dois meses, forao dois meses sofrido aguentando humilhação e ingnorancia desses que se dizem ser profissionais da saude de que adianta ter o diploma mas nãe esta capacitado como se deve...profissionais coisa nenhuma agir dessa forma e desumano meu bb nasceu de 7 meses chegarão até a dizer que ele estava morto na minha barriga sendo que ele estava vivo passei um mes sofrendo perdendo liquido quando resolverao tirar meu filho ja estava rocho mas graças a deus escapou passou mas um mes na uti....questão de uti nao tenho o que reclamar o atendimento e excelente ali sim tem pessoas capacitadas enquanto o resto da estrutura do hospital o atendimento e pessimo então isso gera muita revolta ate onde vai isso não podemos deixar isso impune que DEUS possa confortar o coração da familia dessa jovem foi duas vidas que se forao

De Anônimo a 31.01.2013 às 17:24

q a justiça seja feita e q isso possa servi para evitar mas outra tragedia. q seja punico quem estiver culpa

De Anônimo a 31.01.2013 às 18:14

A um ano a traz eu estive la acompanhando uma amiga e foi desse jeito também eles fez em quanto eles dormi vidas se perdem isso e uma vergonha para o maranhão vamos fazer uma boa faxina nessa sujeira toda mais a minha amiga só brevivel mais a criança passou dez dias na uti e a gora fica a pergunta como fica essas crianças que dormi fica em casa

De Anônimo a 31.01.2013 às 18:32

a pergunta que não que calar como fica essa familia em doutores agora vcs turma em paz

De Anônimo a 01.02.2013 às 23:36

Quantos comentários infelizes,a começar do título da reportagem.E melhor saber mais sobre o caso pra nao ficar falando besteira.Ruim com o regional.pior sem ele.

De Anônimo a 02.02.2013 às 02:32

Nunca lir tantos comentários maldosos,levianos como neste texto.vai se informar melhor pra depois nao ser processado por calunia e difamação.

De Anônimo a 03.02.2013 às 01:21

Hospital regional ! Serve apenas para esquentar o dinheiro

De samir a 26.02.2013 às 02:40

Uma vergonha para o Estado do Maranhao caso os culpados não serem punidos, pois, se a uma negligencia eu acho que alguem tem que ser respomsabilizado, mesmo que não seja o negligente mas o governo sabe disso...... É vergonhante que as pessoas tem que pagar para encobrir os erros dos incompetentes.......

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D