Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




por Willame Ferraz

A Prefeitura de João Lisboa, por meio da Secretaria de Saúde e da Coordenação de Imunização do Município orienta a população quando se deve tomar a vacinação.

A vacinação é considerada pela Organização Mundial da Saúde a forma mais importante de prevenir a febre amarela. 

Tanto que é a vacinação freqüente que impede que a doença se espalhe mesmo em áreas endêmicas. É preciso que ao menos 80% da população seja imunizada contra um vírus para prevenir a doença nestas regiões.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a vacina com dose completa dura a vida toda, enquanto a fracionada valerá por oito anos.

Inicialmente, estimava-se que a proteção da dose fracionada seria apenas de um ano, mas houve um acompanhamento com as pessoas que a receberam e o resultado foi satisfatório.

A vacina é mesmo necessária nas áreas consideradas de risco. No Brasil, a área de risco está aumentando. Recentemente a Organização Mundial de Saúde considerou todo o Estado de São Paulo como área de risco. Poucas são as regiões deste país onde não há risco, por outro lado o Estado Maranhão não é uma área de risco.
A coordenadora de imunização do município, Helena Leocárdio alerta que a vacina só é disponibilizada para crianças acima de 9 meses e adultos até 59 anos de idade, e para quem vai viajar para áreas de riscos (Estados).

Para quem já tomou a dose não será mais necessário repeti-la ou procurar as unidades Básicas de Saúde para reforço da vacina, pôs segundo o protocolo do Ministério da Saúde o mesmo estará imune pelo resto da vida

Outro ponto importante é que pessoas que vão viajar precisam receber a dose da vacina, pelo menos 10 dias antes da viajem, respeitando as precauções e contraindicações da vacina.
No município de João Lisboa de acordo com o Secretário de Saúde Vílson Soares, a dose da vacina contra a febre amarela, nesse primeiro momento está sendo ministrada em crianças de 9 meses e em adultos até 59 anos.

Gestantes e idosos acima de 60 anos somente com análise de risco beneficio e sob prescrição médica e em quem vai se deslocar para áreas riscos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D