Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Fonte: RFI/MSNA imprensa francesa repercute neste sábado (5) a nova fase da Lava Jato e o depoimento do ex-presidente Lula aos investigadores. As reportagens e análises estimam que trata-se do crepúsculo do “mito Lula” e o ex-presidente vive uma situação de muita fragilidade.

Para Le Figaro, Lula foi apanhado pela justiça e, assim como a presidente Dilma Roussef, é suspeito de ter se beneficiado do esquema de corrupção na gigante petrolífera. Erroneamente, o texto diz que o ex-chefe de Estado ficou sob custódia e buscas foram realizadas em seu domicílio. A situação constitui uma ameaça cada vez maior ao mandato de Dilma, afirma o texto.

Le Figaro informa que Lula não foi o único visado pela nova fase da Lava Jato. Outros 33 mandados de buscas foram emitidos e 11 para interrogatórios, sendo dois deles em São Bernardo do Campo.

O diário francês reproduz a mensagem da polícia com afirmações de que "além de líder do partido, o ex-presidente era um dos responsáveis que decidiam pela nominação dos diretores da Petrobras e um dos principais beneficiários dos crimes".

Apesar de não ter, por enquanto, nenhuma acusação direta, a presidente Dilma Rousseff é suspeita de envolvimento porque era ministra da Energia no período em que os desvios aconteceram para financiar ilegalmente a campanha eleitoral e também foi presidente do Conselho de Administração da Petrobras. "Como ela poderia ignorar o vasto esquema de corrupção se ela participava das instâncias decisórias mais importantes do país e da Petrobras?", questiona Le Figaro.

Mito se desfaz

É o crepúsculo de um ídolo?, pergunta Libération. Os adversários políticos esperavam por este momento, escreve o jornal, informando que a investigação do escândalo de corrupção da Petrobras bateu às portas do ex-presidente. Três horas depois de prestar depoimentos sobre as suspeitas de ter recebido "vantagens indevidas" de empreiteiras, ele saiu livre e foi para a sede do PT onde se realizava uma reunião de crise. O jornal informa as reações indignadas de militantes e juristas sobre o mandado de condução coercitiva.

Libération explica que os procuradores afirmar ter encontrado "elementos" que comprovam o recebimento por parte de Lula de R$ 30 milhões de empreiteiras entre 2011 e 2014. O jornal lembra que foi a delação premiada do senador Delcídio do Amaral que deu à polícia evidência da implicação do ex-presidente Lula e de Dilma Rousseff no esquema.

"Os brasileiros se mostram menos tolerantes com uma corrupção que passou dos limites. As línguas se soltam e o mito Lula está desmoronando", afirma o texto.

"Um político como outro qualquer"

Para Le Monde, atordoados pela condução forçada de Lula à prestar depoimento à Polícia Federal, militantes petistas mostraram revolta e negam as acusações que pesam sobre o ex-presidente. Os partidários do ex-presidente não desistem e o "defensor dos mais pobres", se tornou um "prisioneiro político", diz o artigo em referência às declarações do ex-presidente.

O jornal teve o cuidado de explicar que Lula não ficou sob custódia, termo muito empregado na França mas que não se aplicaria à situação de Lula. Le Monde diz que há vários meses a operação Lava Jato ronda o ex-presidente e diariamente a imprensa revela informações sobre suspeitas como as obras do triplex no Guarujá.© Fournis par RFI

A reportagem explica que muitos brasileiros poderão ir às ruas nas manifestações previstas em favor de Lula, e um cientista político ouvido pelo jornal explica que militantes de esquerda e a população mais pobre poderão seguir o discurso de Lula de que a justiça está sendo instrumentalizada pela imprensa e pela oposição.

No entanto, os casos suspeitos são numerosos e em um país acostumado por tanta corrupção, Lula aparece como "um político como qualquer outro". A reportagem termina com uma análise do cientista político francês Stéphane Montclaire de que o ex-presidente se encontra "muito, muito fragilizado".
Vá para a Homepage do MSN
Ir para

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:30





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D