Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]






 Desde quando o escândalo do mensalão ganhou espaço na mídia, o jornalista Reinaldo Azevedo passou a usar a palavra “petralha” para se referir aos políticos e simpatizantes do PT que estivessem envolvidos em casos de corrupção. Ele também escreveu o livro O País dos Petralhas (Editora Record), em 2008.

Reinaldo Azevêdoautor do termo 'Petralha'
“Que ou pessoa que, sem nenhum escrúpulo, não vacila em cometer todo e qualquer ato marginal à lei, como usurpar, mentir, extorquir, ameaçar, chantagear, roubar, corromper, ou que defende com ardor ladrões, corruptos, usurpadores, mentirosos, cínicos, extorsionários, chantagistas, etc. que, porém, posam de gente honesta e defensores intransigentes da ética ”. Essa é primeira explicação da palavra “petralha” dada pelo Grande Dicionário Sacconi em sua mais nova edição.
 Além de atualizar o termo, que já estava disponível quando a publicação foi lançada em janeiro deste ano, a versão mais atual do dicionário informa que o surgimento do termo aconteceu graças ao trabalho do colunista Reinaldo Azevedo, da Veja.com. Desde quando o escândalo do mensalão ganhou espaço na mídia, o jornalista passou a usar a palavra “petralha” para se referir aos políticos e simpatizantes do PT que estivessem envolvidos em casos de corrupção. Ele também escreveu o livro O País dos Petralhas (Editora Record), em 2008.

Para creditar a criação da palavra ao jornalista da Veja, o Dicionário Sacconi publica que Azevedo fez a junção de “petista” – em referência aos integrantes inescrupulosos da legenda – com “Irmãos Metralha” – gêmeos (criminosos e atrapalhados) que estão presentes em histórias em quadrinhos e animações produzidas pela Disney. O dicionário cita, além dos créditos ao surgimento do neologismo, que existem as categorias “jornalista petralha” e “jornaleco petralha”.

Com a atualização do termo no dicionário, Azevedo elogiou o idealizador da obra, o professor Luiz Antônio Sacconi. “O professor teve a gentileza de dar a autoria do vocábulo. A obra é excelente. Um dicionário não pode registrar todos os neologismos e gírias que surgem por aí. Mas o dicionarista competente tem de ter a sensibilidade de identificar as palavras que vão ficar, que serão incorporadas à língua”, publicou o jornalista em seu blog. A declaração foi postada na manhã dessa quarta-feira, 28. (da Redação do site Comunique-se)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:58


1 comentário

De Anônimo a 31.03.2012 às 03:51

skip to main | skip to sidebar Páginas
Home Quem sou Facebook RSS Feed Twitter Top Menu
Cultura Educação Esporte Política

Marcadores: denúncias, resposta, Terezinha Fernandes
Terezinha Fernandes defende-se de denúncias.
Carlos Hermes 30 Março 2012


Ontem diversos blogs e jornais maioria ligados ao grupo de Roseana Sarney e ao PSDB divulgaram denúncias(ver aqui) do Ministério Público Federal contra a ex-deputada Terezinha Fernandes. As matérias davam tom de condenação pública antes mesmo de qualquer defesa. Conheço bem Terezinha Fernandes, tive a honra de estar seu assessor parlamentar nos últimos dois anos de seu mandato de deputada Federal e sei de sua idoneidade nos quase 30 anos de vida publica. Já não tinha dúvidas de sua inocência e reafirmo isso depois de sua resposta abaixo:
NOTA À IMPRENSA
Invocando o direito constitucional à ampla defesa e o princípio universal do contraditório, requeiro a divulgação da Nota abaixo em resposta à matéria divulgada em 29/03/12.
Terezinha Fernandes, ex-Secretária do Trabalho e Economia Solidária do Estado do Maranhão nos anos de 2007 a abril de 2009, vem a público responder matéria veiculada na imprensa local no dia 29/03/2012, acerca de denúncia feita pelo Procurador Federal Juraci Guimarães, sobre possíveis irregularidades em processos licitatórios durante sua gestão na citada Secretaria.
Preliminarmente informo que o Ministério Público Federal ainda não me notificou, preferindo primeiro enviar nota à imprensa sobre a denúncia feita. Passo a responder, portanto, as matérias veiculadas na mídia, no sentido de esclarecer os fatos expostos.
1 – A matéria fala em desvio de cerca de três milhões de reais e cita três Cartas Convites, as de números 15/2007; 16/2007 e 17/2007. As três Cartas Convites citadas resultaram na contratação de serviços nos seguintes valores:
Convite nº 15/2007 – R$ 38.920,00;
Convite nº 16/2007 – R$ 19.504,00;
Convite nº 17/2007 – R$ 69.675,00.
Os três convites totalizam, portanto, R$ 128.099,00.
2 – Todos esses processos licitatórios foram feitos de acordo com o determina a legislação em vigor e os serviços contratados foram devidamente prestados.
3 – Repudio a afirmação de desvio de qualquer natureza, bem como a colocação da cifra de R$ 3 milhões de reais sem nenhuma explicação, que serve apenas para a destruição de imagem de pessoas e não para o esclarecimento da sociedade. Acredito que devem estar se referindo ao convênio 42/2006 firmado (na gestão anterior à minha) entre o Ministério do Trabalho e Emprego e a SEDES, no valor de R$ 2.956.860,00. Desse total, a SEDES aplicou ainda em 2006 o valor de R$ 1.036.172,85, passando para minha gestão um saldo de R$ 1.560.687,15. A secretaria por mim dirigida acabara de ser criada, não tinha orçamento e com tarefas grandiosas a realizar. Conseguimos a prorrogação do Convênio em apreço para 30/05/2007. Aplicamos R$ 843.987,48 e devolvemos aos cofres da União R$ 716,699,67. Por que essas informações não foram colocadas na Nota do MPF? Por que a Nota do MPF não informa a sociedade sobre a fiscalização da parte desse convênio que foi aplicada na gestão anterior?
4 – Da parte desse Convênio (42/2006) que foi aplicada em minha gestão (R$ 843.987,48), estão sendo questionados pela matéria os citados convites 15, 16 e 17, todos de 2007, que contrataram serviços no valor total de R$ 128.099,00, cujos objetos foram devidamente cumpridos.
5 – No âmbito da Justiça, vamos discutir todas as questões formais questionadas no Processo para provar a correta aplicação dos recursos. Lamentamos a maneira como esses eventos foram divulgados, sem as informações básicas que apresentamos acima, passando à população uma visão parcial que já traz consigo uma condenação implícita.
São Luis, 29 de março de 2012
Terezinha das Neves Pereira Fernandes

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D