Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Quem é Mahmoud Ahmadinejad?

por Holden, em 23.11.09


O palácio do Itamaraty terá, nesta segunda-feira (23), um dos visitantes mais polêmicos de sua história. Mahmoud Ahmadinejad, o presidente do Irã, chega ao país para encontrar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em uma reunião que coloca em xeque a política externa do governo federal, como mostra reportagem desta semana de ÉPOCA (para assinantes).

Ahmadinejad é conhecido mundialmente por promover um programa nuclear ameaçador, por defender aberrações históricas, como a ideia de que o Holocausto é um “mito”, e por pedir que Israel seja “eliminado das páginas da história”. Figura canhestra, ele chegou à presidência do Irã por ser o que é: ícone da face mais linha-dura da revolução islâmica que controla o país desde 1979.

De origem humilde, Ahmadinejad, nasceu em 1956, filho de um ferreiro, na pequena cidade de Aradan, no norte do Irã. Quando tinha apenas um ano, a família se mudou para Teerã e, em 1976, ele ingressou na universidade para cursar engenharia civil. Seu estilo messiânico e apocalíptico no trato da política externa é resultado da união de sua fé com suas experiências políticas.

Assim como boa parte dos líderes da Guarda Revolucionária (a tropa de elite das Forças Armadas do Irã), Ahmadinejad é um seguidor do xiismo Hojjatieh, que prega que o caos tomará conta do mundo antes da chegada do Mahdi, o 12º Imã, que virá para purificar o mundo. O engenheiro religioso Ahmadinejad teve sua personalidade forjada na Revolução Islâmica de 1979, liderada pelo aiatolá Ruhollah Khomeini, e na guerra de oito anos entre o Irã e o Iraque (1980-88).
Os relatos sobre sua vida na década de 80 são conflitantes e nebulosos. Ahmadinejad teria integrado a Guarda Revolucionária e servido em missões secretas em Kirkuk, no Iraque. Outros registros apontam que Ahmadinejad jamais integrou a Guarda Revolucionária, mas que teria participado de milícias próximas a ela. Entre seus “feitos”, também sem comprovação, há a participação no sequestro de funcionários da embaixada americana nos Estados Unidos (em 1979), no assassinato de um líder curdo na Áustria (em 1989) e na perseguição ao escritor indiano Salman Rushdie, autor de Versos Satânicos.

No livro Ahmadinejad: The Secret History of Iran's Radical Leader (Ahmadinejad, a história secreta do líder radical do Irã), o jornalista iraniano Kasra Naji conta que o presidente do Irã emergiu da guerra como um político influente. Membro do Escritório para o Fortalecimento da Unidade (OSU, na sigla em inglês), um grupo ultra-conservador controlado pelo aiatolá Mohammad Beheshti, ligado a Khomeini, Ahmadinejad foi vice-prefeito das cidades de Maku e Hoy.

Aliado a clérigos da cidade sagrada de Qom e sempre próximo da Guarda Revolucionária, Ahmadinejad foi nomeado governador da província de Ardabil, na fronteira com o Azerbaijão, em 1993. Quatro anos depois, com a chegada do reformista Mohammad Khatami à presidência do Irã, Ahmadinejad foi afastado do governo de Ardabil.

Seu refúgio foi a universidade Elm-o Sanaat, onde começou a lecionar, até que, em 2003, com a ascensão de políticos radicais no parlamento municipal de Teerã, acabou nomeado para a prefeitura da cidade. Suas políticas conservadoras, antagônicas diante do que pregava a administração de seu antecessor, chamaram a atenção na capital. Ahmadinejad fechou restaurantes fast-food, proibiu que homens e mulheres pegassem o mesmo elevador em edifícios públicos e pediu que os homens usassem mangas compridas e barba nas ruas da cidade.

Após dois anos como prefeito, Ahmadinejad foi eleito presidente do Irã em 2005. Neste ano, foi reeleito, em uma votação marcada pela violência e por acusações de fraude, o que fez o ocidente acreditar que a revolução que ele representa começou a ruir. A rede de apoios que construiu em sua vida política, baseada especialmente no aiatolá Ali Khamenei, atual líder supremo do Irã e sucessor de Khomeini, fez com que Ahmadinejad conseguisse se manter forte no cargo.

revista época 22/11 22:00

agora veja um artigo de Valter Pomar (relações internacionais do PT) que defende o terrorista.
leia:
http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/1,,EMI105811-15227,00.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:42





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D