16 dezembro 2016

Rildo, Hermes e Aurélio devem votar com Zé Carlos. Professores perderiam única base de apoio na câmara.




A eleição da câmara de vereadores é, sem duvidas, mais um grande processo político que antecede o inicio do novo mandato. Esta eleição, entretanto, pode também unificar os mais inusitados interesses, desde que os fins justificam os meios, como veremos a seguir...

O atual presidente da Câmara, José Carlos (PV) até outro dia era uma das peças mais indigestas na visão dos vereadores Carlos Hermes (PC do B), Rildo Amaral (SD) e Aurélio (PT), além de outros parlamentares que formavam o bloco de oposição. As desavenças políticas e os debates travados na câmara ficaram tão acirrados que os projetos de iniciativa popular eram logo defendidos pelo grupo de parlamentares da oposição, como ocorreu no projeto que aumentava o salário dos professores, mas barrada pela maioria coordenada pelo vereador e presidente José Carlos.

Agora os interesses se convergem. Disputam pela vice-presidência os vereadores Carlos Hermes e Rildo Amaral. Consolidado o voto do vereador Aurélio, antes oposição aos posicionamentos do Vegano e considerado um dos mais experientes da câmara. Reunido no almoço de hoje, apesar de evitar o tema, também estavam a base evangélica, que somados seriam suficiente para consolidar a eleição de ZC.

Mas o ponto mais frágil ainda será dos professores de Imperatriz, que antes possuíam uma minoria, no entanto, uma base totalmente desvinculada dos interesses da presidência. Se consolidar o previsto com uma vitória do atual presidente com o apoio da antiga base de oposição, os projetos de iniciativa popular ou das categorias podem dar adeus aos grandes debates...
Postar um comentário