12 novembro 2017

PSDB pensa o futuro e candidatos se movimentam com novas alianças, é o Maranhão hoje


A divisão no comando do PSDB nacional, e que deve ter uma decisão pelo menos sobre quem deve ocupar a presidência do partido até a eleição do partido, vem causando transtornos na legenda também nos estados, como é o caso do Maranhão. 

Em meio a indecisão do partido sobre abandonar ou não o governo do presidente Michel Temer, acirrou-se a disputa sobre o comando do partido, onde, de um lado, Tasso Jereissati coincide com o movimento do presidenciável e governador de São Paulo, Geraldo Alckmin e defendem o afastamento do partido da base de apoio a Michel Temer, entretanto, com o poder de decidir em meio a divisão, por estar no comando da legenda até a eleição, Aécio Neves, desgastado por conta das investigações da Lava Jato, defende a permanência no governo. 

O Problema é o desgaste acumulado em função da demora do partido deixar o governo Temer, considerado altamente impopular, o PSDB vem carregando os respingos dessa empreitada, e hoje, nas pesquisas recentes, é um dos partidos mais impopulares, o que deve prejudicar nas próximas eleição. E é exatamente isso que tem incomodado Tasso e Alckmin. 

No Maranhão, a atabalhoada nacional acabou adiando a transição do partido que tende a se afastar da reeleição do atual governador Flávio Dino e protagonizar o processo eleitoral com a candidatura do Senador Roberto Rocha, este deve representar a 3ª via na eleição estadual, é o que defende o ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira.

Efetivando os prognósticos tucano, o Maranhão deve ter uma das eleições mais aguardadas dos últimos anos, com Roseana Sarney tentado retornar ao governo, ao anti-sarneysismo representado pelo governador em busca da reeleição – neste caso se confirmaria o processo de decadência e o fim da oligarquia no Estado, e a terceira via, representada pelo grupo do Senador Roberto Rocha que prega um movimento deslocado dos dois grupos antagônicos politicamente.

Em Imperatriz, segunda cidade do Estado, a disputa estará entre as principais lideranças, naturalmente, que deve tentar a qualquer custo, transferir a representatividade. Recentemente uma das maiores manobras do cenário atual foi a adesão de Ildon Marques (PSB) (ex-prefeito de Imperatriz) ao projeto de reeleição de Flávio Dino (PC do B), do outro lado o também ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira (PSDB), visa transferir sua liderança política (em votos) na região tocantina ao Senador Roberto Rocha (PSDB), e enfim, o prefeito de Imperatriz, Assis Ramos (PMDB), com a maior responsabilidade, onde terá a obrigação de conceder a pré-candidata Roseana Sarney (PMDB) uma votação que nunca teve em Imperatriz.

O jogo está aberto e a responsabilidade é, sobretudo, do próprio candidato, e em melhores condições, sem duvidas, estará o próprio governador Flávio Dino que será avaliado sobre os últimos 3 anos governando o Maranhão e atualmente é o favorito para a eleição do ano que vem.

Este é o cenário de hoje.
Postar um comentário