14 março 2019

Sem poder ir as reuniões, tucanos bicam de longe...


As palavras meticulosas demonstram, na verdade, pouco conhecimento de causa e desespero com o marasmo de uma suplência cara e sem chances de repeteco

A ultima eleição para vereador de Imperatriz pode ser considerada uma das mais abastadas dos últimos tempos. Secretários e adjuntos eram candidatos no partido que comandava a cidade nos últimos 8 anos. PSDB, com esturro, só não faria mais vereadores porque apesar dos custos altos investidos nas eleições dos pimpolhos, eram sem votos e mal vistos até pelos mais próximos. Este é o verdadeiro resumo da ópera. 

O que ocorre hoje é uma realidade totalmente alheia a anterior. Suplentes sem nenhuma possibilidade de assumir, visto que o prefeito Assis, que poderia projetar lideranças políticas emergentes, parece não dispor de nenhum interesse em fazê-lo, passam a sonhar com algo que outrora era um sonho, uma candidatura rica e com reais chances de vitoria, o que dificilmente deve ocorrer nessa encarnação. Portanto, o que resta são falácias, afinal, criticar pela rede social, pelo fato de não poder participar das reuniões decisórias é quase um "colosso" (dizia o caipira na entrevista, mas sem saber exatamente o que quer dizer, como eu também não sei...)

O que ocorre com o PSDB, na verdade, não é falta de densidade eleitoral, afinal, pela visão moderna das pesquisas e estatística, o eleitor não conhecer o candidato o torna mais forte, prevalecendo, portanto, a visão qualitativa ou a baixa rejeição. Rosângela Curado quase venceu Madeira em 2012 por esse motivo. Assis venceu as eleições em 2016 por também por ser desconhecido e se apresentar como o novo. 

Se o pré-candidato Richardson Lima pode vencer ou não é impossível prever estando a quase 2 anos das eleições. Tal analise só poderia ser feita por quem desconhece qualquer método ou simplesmente desconhece a política. Mas o pupilo da família Lousa tem o aval do Madeira e na reunião tucana estavam presentes os principais tucanos de carreira, só não foi ou não disse nada, quem não podia estar lá. A aproximação com rivais históricos do tucanato imperatrizense talvez seja uma das razões para o escarnio inconsistente.  

Mas o tucano pré-candidato tem seu momento de fama e de concorrer em um dos partidos mais tradicionais da politica nacional, se não vencer as eleições, vai se igualar a Ribinha, Rosângela, Jomar (2 vezes), Madeira (4) e outros tantos, mas esse resultado, pelo histórico eleitoral de Imperatriz, pelas eleições repentinas de quem não tinha chances de vencer as eleições e acabou vencendo, só vamos saber após outubro de 2020.

Nenhum comentário: