01 abril 2019

Vereador de Imperatriz quer mudar nome de rua para homenagear Marielle Franco


Um vereador de Imperatriz deve propor nos próximos dias a mudança de nome de uma rua, provavelmente que leve o nome de militares a quem consideram ser ditadores, para homenagear Marielle Franco, vereadora morta por milicianos no Rio de Janeiro.

O blog teve acesso a informação através de um assessor que diz que o parlamentar havia recuado da indicação, mas com a aprovação no parlamento em Paris para a homenagem a socialista, Imperatriz também conceder a honraria, disse o assessor.

Opinião!

Sem grandes méritos a não ser as bandeiras da esquerda de enfrentamento comum na militância socialista, enfim, principalmente por discordarem de tudo que não seja sugestão deles, a bancada de defensores do petismo/socialismo/comunismo tenta emplacar a vereadora morta por milicianos como mártir da esquerda, provavelmente por conta da imagem desgastada do líder preso por corrupção. 

Os menos lunáticos que fazem parte do parlamento municipal devem ficar atentos para que certas aberrações não se concretizem, como proposta recente de um parlamentar que acredita que opção sexual teria direito a vagas em conselhos etc... Em uma dessas bobeiras do parlamento, um vereador conseguiu mudar o nome Jarbas passarinho de uma praça com a argumentação de que deveria homenagear um morador antigo do bairro, no twitter, marcou o restante da "comunada" se vangloriando que havia tirado o nome de um ditador. 


2 comentários:

korvinus disse...

"...vereadora morta por milicianos no Rio de Janeiro."

foi morta por agente do trafico, que não é miliciano. Corrigi aí.

Aline disse...

O que mesmo essa moça fez por Imperatriz? Temos grandes nomes de pessoas da nossa cidade que nunca foram sequer cogitados para uma homenagem e vem um vereador inútil (para não dizer coisa mais apropriada!) com essa proposta indecente??? Melhor que deixe mesmo engavetada essa proposta!! É, no mínimo, muita falta de querer trabalhar (pq trabalho nossa cidade tem muito! Mas esse ser aí não quer trabalhar, ne!)