.

.

01 março 2017

MOB ignora serviços de transporte clandestinos na região Tocantina.

       
Vans com destino a João Lisboa enfileiram e compete com ônibus dentro da cidade de Imperatriz

Qualquer veículo pode realizar o serviço de transporte de passageiros na região Sul do Estado. 


       Sem qualquer regulamentação quanto ao tipo de veículo, a qualidade e a questão da segurança para os usuários, veículos de todos os tipos e modelos enfileiram diariamente realizando o transporte publico, sem qualquer impedimento por parte do órgão fiscalizador, se é que ele exista.

     A desorganização e ausência de fiscalização é tão grande que recentemente uma Cooperativa de vans (SINTRAMAUIMP) foi criada para transportar passageiros da cidade de João Lisboa para Imperatriz. As vans cadastradas vieram de várias cidades e até de outros Estados. Com a ineficiência do Estado, o serviço foi regulamentado pela própria Cooperativa, foi organizado o destino, horário e locais de parada e pelo menos 16 vans operam o serviços sem nenhum impedimento. Mesmo com outras três empresas operando na mesma linha, o serviço de vans atuam a quase um ano sem nenhum impedimento.

      Com exceção de uma autorização que foi dada para a empresa ZANCHETTUR COLETIVOS LTDA a operar com os serviços criado pelo Estado e denominado de “Transporte Metropolitano”. As linhas, no entanto, deveriam ter passado por licitações para que qualquer empresa viesse a prestar o serviço.

       Além do presente para atuar em linhas que passam por duas cidades, a empresa ainda recebe descontos nos preços dos combustíveis, enquanto as outras duas empresas que operaram na mesma linha e concorrem com a empresa apadrinhada no Estado não possuem qualquer beneficio, o que torna a concorrência desleal.

       Resta saber dos órgão do Estado, neste caso a MOB (Agencia de Mobilidade Urbana) quando a região Sul do Estado fará parte dos planos da agencia, mas sem apadrinhamentos ilegais. Apesar de ter enviado a mais de 15 dias as perguntas para o e-mail da MOB (ouvidoria) sobre os questionamentos da matéria, até hoje nunca obtivemos resposta.
Postar um comentário