22 julho 2018

PC do B prega união da esquerda no 1º turno



Sigla quer união com PT, PDT, PSB e Psol  Reação à aliança do Centrão com Alckmin


Por Laurimberto Brasil/Poder360

O PC do B divulgou, neste domingo (22.jul.2018), nota pedindo para que PT, PDT, PSB e Psol se unam no 1º turno das eleições presidenciais de 2018. De acordo com o texto do partido, o objetivo da união é “derrotar a agenda neoliberal e neocolonial de Alckmin, Temer e Bolsonaro”.

O documento assinado pela presidente do PC do B, Luciana Santos, é uma reação à tendência do Centrão (DEM, PR, PP, PRB e SD) de se unir à pré-candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB).

“Desenha-se uma coesão do campo político da direita e centro-direita em torno do candidato do PSDB Geraldo Alckmin. Faz parte dessa orquestração tentar isolar o candidato do PDT, Ciro Gomes e, também, concorrentes do tucano pertencentes ao seu espectro político e, ainda, manter a candidatura do MDB, Henrique Meirelles, com o intuito de descolar Alckmin de Temer”, afirma o texto.

No entanto, há empecilhos para uma aliança das candidaturas de esquerda na disputa eleitoral. O PDT e o Psol já oficializaram respectivamente os candidatos Ciro Gomes e Guilherme Boulos e, mesmo com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva preso, o PT mantém a intenção de lançá-lo à Presidência.

Sobre Lula, o PC do B afirma que “prossegue a luta pela liberdade do ex-presidente e pelo seu legítimo direito de ser candidato”.

Na nota, o partido também reafirma a pré-candidatura da deputada estadual Manuela D’Ávila a presidente. A convenção nacional da sigla acontece no dia 1º de agosto em Brasília.

Leia a íntegra:

PCdoB conclama PT, PDT, PSB e PSOL: Unidade desde já

Aberto o calendário das convenções partidárias, vem à tona uma nítida orquestração das forças conservadoras que entronizaram o desastroso governo Temer para tentar vencer as eleições presidenciais com uma candidatura do consórcio golpista. Desenha-se uma coesão do campo político da direita e centro-direita em torno do candidato do PSDB Geraldo Alckmin. Faz parte dessa orquestração tentar isolar o candidato do PDT Ciro Gomes e, também, concorrentes do tucano pertencentes ao seu espectro político e, ainda, manter a candidatura do MDB, Henrique Meirelles, com o intuito de descolar Alckmin de Temer.

Não se deve subestimar esse movimento de reforço a Alckmin e nem o candidato de matiz fascista Jair Bolsonaro, mas a disputa presidencial está longe de estar definida, seguirá acirrada e de resultado incerto, mesmo com o líder das pesquisas, o ex-presidente Lula, mantido arbitrariamente encarcerado. O PCdoB prossegue a luta pela liberdade do ex-presidente e pelo seu legítimo direito de ser candidato. Alckmin carregará nos ombros, mesmo que se esquive, o governo que imputou grande sofrimento e tragédias ao nosso povo; e seu programa é antinacional, antipopular e autoritário.

Neste cenário, o PCdoB reafirma a convicção de que a estratégia política da esquerda e das demais forças democráticas, populares e patrióticas deve ter por centro a vitória eleitoral em outubro, o que exige marcharem unidas desde já.

Para isto, o PCdoB conclama o PT, PDT, PSB, PSOL e demais forças progressistas a construírem a unidade, já no primeiro turno, para vencer as eleições, derrotar a agenda neoliberal e neocolonial de Alckmin, Temer e Bolsonaro, retirar o Brasil da crise e encaminhá-lo a um novo ciclo de desenvolvimento soberano com geração de empregos, distribuição de renda e direitos.

Da parte do PCdoB, reiteramos que Manuela d’Ávila, que segue com sua exitosa pré-campanha, renovará seu empenho para que se viabilize a união do campo progressista, condição imperativa para que alcancemos a quinta vitória do povo.

São Paulo, 22 de julho de 2018

Comitê Central do Partido Comunista do Brasil (PC do B)
Postar um comentário