26 fevereiro 2013

Greve e politicalha...


Apesar de não discordar das constantes busca por aumento de salário por entidades de representantes de classe, algumas, tendem a se prender a questões políticas e se esquecem que o real objetivo é a luta de classe, e não, dos desejos políticos por trás dessa batalha, que termina por afundar a razão. 

A busca do Steei parece ter se dilacerado no caminho, ficando claro, - como eu já havia tratado anteriormente -, que existem questões e questões, mas no momento em que fica claro o envolvimento de personagens externas a causa, o movimento passa, de fato, a ser político.

Sendo assim, a causa deve ser tratado de forma diferenciada, visto que existe mais que seus direitos a serem debatidos, pois a paralisação realizada de forma premeditada sempre que se inicia o período letivo, também tende a prejudicar a outra parte, que não está nem um pouco preocupada com A ou B, mas em começar o ano com aula e terminá-lo, como as demais escolas terminam, com aula.

Visto as duas partes com imparcialidade, se percebe que uma, até então incomunicável, tende a escolher a forma complexa de começar as negociações, usando sempre a paralisação ou greve, como se fosse uma solução irremediável.
O secretário de educação do município deixou clara a intenção do governo em negociar e negociar, dispensando a parte política e com maturidade, sempre colocando que estava disposto a negociar.

O importante,hoje, não é a versão do sindicato e, ou, o lado do governo, mas da parte que sempre será a mais prejudicada, que neste caso, ambos devem se atentar e colocar em primeiro plano, esquecendo o fato político. 

 Ficou claro que a maioria dos servidores desta entidade não aderiram ao movimento e escolheram permanecer de fora, percebendo que há uma outra intenção na questão que, colaborou ainda mais  para reafirmar o que já se havia percebido; Começou as eleições de 2014.
Postar um comentário