.

.

02 maio 2017

Com apoio do Governo, produção de leite aumenta nas regiões Tocantina e do Médio Mearim

O Programa Mais Produção, voltado para o aumento da produção agropecuária e valorização dos produtos maranhenses, já vem promovendo mudanças, nas dez cadeias produtivas definidas como prioritárias. Na cadeia do leite, por exemplo, os primeiros resultados do trabalho de assistência técnica e gerencial (AteG) promovida pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) já colocam o estado em posição competitiva no cenário nacional.

Um exemplo é a média de produção por anima. No Brasil, a média de produção de leite por vaca é de 5kg de leite/vaca/dia, segundo  a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). No estado, a mesma média saiu de 4,43 para 4,98kg de leite/vaca/dia e, especialmente na Região Tocantina, saiu de 4,57 para 5,21kg de leite/vaca/dia, superando a média nacional em 4%. Os números comparam o antes e o depois da ATeG, realizada por meio de convênio entre Sagrima e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

Egon de Oliveira, que acompanha o trabalho pelo Senar na Região Tocantina, destaca que os bons resultados vêm despertando confiança e interesse cada vez maiores e que as perspectivas são as melhores possíveis. “A receptividade dos produtores com as ações aqui na Região Tocantina está sendo muito boa, pois os produtores estavam carentes dessa assistência e com níveis de tecnologia diferentes. Agora, o produtor consegue saber, na ponta do lápis, quanto ele está gastando para produzir seu litro de leite e já está com mais confiança”. 

O trabalho de assistência é realizado de acordo com as características de cada propriedade e, nos aspecto técnico, vem fazendo a diferença no ajuste de manejo pecuário, na otimização no uso das áreas de pastagem, no escalonamento da produção e na suplementação alimentar. Equipamentos, como os 40 tanques de resfriamento entregues em março, também colaboram.
“O acompanhamento técnico tem me ajudado muito, porque meu conhecimento era bem pequeno. Hoje estou aprendendo, as coisas estão mudando. Minha área é pequena e eu precisei fazer umas mudanças, hoje a gente já tem a gestão da atividade mais organizada, já consegue planejar as áreas de pastagem, o piquete rotacionado e facilitar o manejo. Só tenho a agradecer”, comemora Luiz Tirara Rocha, produtor de Imperatriz.

Atualmente, o Programa Mais Produção, na cadeia do leite, atende a 675 propriedades nas regiões Tocantina e do Médio Mearim. Nos primeiros três meses de trabalho, a produção dessas propriedades assistidas saiu de 1.691.172 litros de leite por mês para 1.874.544 litros de leite, um acréscimo de aproximadamente 11%. 

O secretário da Sagrima, Márcio Honaiser, destaca a importância desses resultados. “Em pouco tempo, já vemos excelentes resultados e que temos potencial para evoluir muito mais. Com as medidas gerenciais e zootécnicas recomendadas, esperamos que os produtores assistidos pelo programa estejam bem mais preparados para o período das secas, no segundo semestre, para que a falta de chuvas não prejudique esse bom desempenho”, disse.

Postar um comentário